Os juízes queriam suspender o mandato de Aécio e, por precaução, submetê-lo a recolhimento noturno e impedi-lo de viajar. O motivo para isso é óbvio: a desfaçatez com que Aécio pediu R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista. O dinheiro foi entregue ao primo que ele indicou a Joesley, numa operação controlada pela Polícia Federal.

Os termos da conversa de Aécio com Joesley são abjetos. Em linguajar chulo, Aécio não pede apenas dinheiro para “segurar” seus advogados (sua defesa afirma que era um “empréstimo”, não propina). Deixa claro que fará o possível para barrar a Lava Jato.

No áudio (disponível aqui), Aécio fala em “acabar com tudo esses crimes” (sic) numa votação “naquela m… das dez medidas” (sic). Qualifica os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício Oliveira, de “dois caras frágeis para car…” (sic). Chama o ministro da Justiça de “um b.. de um car…” (sic). E por aí afora.

Para os 44 senadores que votaram a favor dele, nada disso justifica que perca o mandato. Nem o dinheiro, nem sua intenção cristalina de deter a Justiça. Apenas uma condenação, disseram na tribuna, os levaria a impôr as medidas pedidas pelo STF.

Foi o próprio STF que abriu mão, na semana passada, da prerrogativa de submeter parlamentares a medidas cautelares sem o aval da respectiva Casa legislativa. Num voto de Minerva contorcido como os cabelos da Medusa, a presidente Cármen Lúcia resolveu que não apenas o afastamento do mandato, mas todas as demais medidas contra Aécio deveriam ir a votação. A Constituição é omissa a respeito, cabia ao Supremo decidir, e a decisão foi tomada para apaziguar os ânimos com o Parlamento.

O preço, começamos a ver ontem, será altíssimo. Entrou em curso, a pleno vapor, a operação “estanca-sangria” – a imortal expressão cunhada pelo senador Romero Jucá no áudio em que foi flagrado conspirando contra a Lava Jato. Jucá fez questão ontem de abandonar um tratamento para diverticulite em São Paulo, subir à tribuna do Senado e fazer um ataque virulento ao ex-procurador-geral Rodrigo Janot. “A organização criminosa do Janot está caindo por terra”, disse. “Ele teve que engolir a sangria, teve que engolir as opiniões, as agressões, os absurdos.”

A população brasileira terá, enquanto isso, de engolir os discursos de Jucá, os palavrões de Aécio e a cavalgada desenfreada contra a Lava Jato nos gabinetes de Brasília. Nem mesmo as eleições do ano que vem servirão de refresco. Dos 81 senadores, 54 poderão concorrer à reeleição. Desses 54, 29 votaram a favor de Aécio. Os outros 15 que o livraram têm mandato garantido até 2023.

Conclusão: apenas pouco mais de um terço do plenário poderá enfrentar a punição das urnas. Tal perspectiva, na verdade, nem influiu na votação de ontem. O ofício do STF que afastava Aécio foi rejeitado por 62,8% dos 70 senadores que votaram. Entre os que poderão concorrer à reeleição, o percentual de rejeição foi até maior: 64,4%. Entre aqueles com mandato até 2023, foi de apenas 60%.

Eis aí uma medida da distância que separa os políticos de Brasília dos anseios da sociedade. A corrupção tem aparecido como principal preocupação da população brasileira em todas as sondagens e deverá ocupar um papel relevante, central até, na campanha de 2018. Mas Brasília parece indiferente ao clamor da nação.

Decisões como a do STF na semana passada ou a do Senado ontem funcionam como chancela ao sentimento de impunidade que prevalece entre os políticos. Na prática, são um incentivo à corrupção. Não se poderia esperar outra coisa de um Parlamento contaminado pela chaga, a quem se atribuiu o poder de decidir sobre o destino dos acusados.  Diante do cenário que se desenha para o país, os palavrões de Aécio são uma linguagem até pudica.

Fonte/Reprodução: G1